Honra e Gloria aos que tão novos lá deixaram a vida. Foram pela C.C. S.-Manuel Domingos Silva!C.Caç. -1558- - Antonio Almeida Fernandes- Alberto Freitas - Higino Vieira Cunha-José Vieira Martins - Manuel António Segundo Leão-C.Caç-1559-Antonio Conceição Alves (Cartaxo) -C.Caç-1560-Manuel A. Oliveira Marques- Fernando Silva Fernandes-José Paiva Simões-Carlos Alberto Silva Morais- Luis Antonio A. Ambar!~

sábado, 6 de dezembro de 2014

Descrevendo o que era o Lunho em Moçambique(Guerra no Ultramar)


Sentado a uma tosca mesa concordante máxima com o meu cogito,irei expor não o que a minha imaginação forjar, mas sim aquilo que os meus olhos têm visto vêem e há-de ver continuar a ver. Entretanto e se me permitem irei sacar dum FN para queimar enquanto reproduzo graficamente o que venho a presenciar. O cigarro começa a desaparecer,
Deixando descontraidamente,subir o subir o fumo em virtude de um “Robson” da picada, (oferta do M.N.F.) O haver inflamado numa das extremidades.O cenário é  naturalmente, e por ninguém contestado o valor da primeira grandeza numa representação teatral. 
Existem alguns em Noroeste do Estado, que ultimamente é designado por este nome, de Moçambique um Foco de civilização, onde se consegue evitar a morte.
Neste aglomerado de latas e canas de bambu, vive gente nobre e com altos ideais.
Nestes postos de sentinela perdem muitas noites homens armados como caçadores à  espera da caça. Nestes subterrâneos passam-se momentos de autêntica expectativa entre o viver e o parecer. Existem contudo, coisa que em qualquer outra parte são impossíveis. Pode ver-se uma capela sem padre, que deixa circular livremente a luz e o ar sob umas chapas de zinco e por entre uma colunas de madeira sustentam o tecto zincado. Vê-se uma cruz na frente deste local destinado à oração, mas esquecido para tal fim. É pois este o indicativo e só a capela ou algo análogo. Dentro desta e debaixo destas folhas metálicas encontram-se ao fundo umas cruzes imperfeitas com Cristos crucificados, uma santa aparecida em Fátima de terço a pender das mãos com ar triste talvez por se encontrar só no meio de um ambiente bélico e sem estatutos uma chapa de ferro sobre um bidom, servindo de mesa para a celebração do santo ofício.
O clima atmosférico é quente e do ambiente é frígido. A superfície cutânea destes soldados transpiram quer suor frio, quer suor quente. Nos dias de calmaria, os africanos que constituem o grupo de integração n.º  132,servem-se da casa de cruz de madeira para dormirem a sesta ou trocarem entre si impressões que muita gente não compreende. O local é  dos mais frescos possíveis de trepar e como tal é bastante convidativo. Falta apenas um rapaz de casaco branco e de bandeja na mão a dizer “ faça o obséquio de pedir. “Será que como o café  onde depois das refeições se reúne os amigos não só para engolir café, mas também para dizer e desdizer deste ou daquele. Neste lar sem união, come-se carne de vaca ou de burro que alguém já rejeitou. Somos visitados duas vezes por semana. Temos o direito apenas a 200 quilos de viveres  portanto 400,para serem consumidos em sete dias. A zona não é explorada e como tal só é possível tragar o que nos trazem. Bebe-se água férrea quando não há avaria na bomba ou no motor que a faz mover ou ainda quando não falta o combustível necessário para a movimentação da máquina. Bebe-se esta mesma água a temperaturas que fariam pelar leitões, quando a geleiras não funcionam coisas que frequentemente se verifica. Vinho da velha cepa que não chega a estas paragens, chega sim uns barris de água do Lago Niassa com um pouco de tinta vermelha e outros cheios de vinagre. Mesmo assim o vinagre, e a água colorida racionalmente servidos por um elemento da secção da cozinha, com uma lata de cerveja cortada pelo meio pelo meio. Este vaso definitivamente provisório não tem asa ou qualquer coisa do género por onde se lhe pegue. Como ia dizendo, o homem com umas mãos muito sebentas, enfia um dedo ou os dedos dentro dos recipientes e vai lavando assim as mãos com o líquido que vai distribuindo aos soldados, que em fila ordenadamente se aproximam.
Pode beber-se ainda, à troca de pecúnia, a cerveja com carimbo de isenção mas vendida ao preço corrente. Quando a cerveja falha coisa habitual bebe-se coca-cola e quando esta falha, bebe-se hi-spote,quando esta falha bebe-se água e quando esta falha passa-se sede. Claro que à mais bebidas, mas estas são o peso do consumo.
Como lhes disse no intróito desta pretensão a crónica, trata-se efectivamente de uma sombra de crónica e não de prosa de ficção.
Precisam-se de ideias frescas para bem reproduzir o que se passa e o que é o Lunho.Sim porque a espiração é muito fraca neste reino de solidão e escuridão que abita um bairro de latas cercadas por matagais nunca dantes explorados. Temo que o engenho e arte me faltem para fazer compreender a realidade sem fantasias, pois por mais que se exagere, talvez se não consiga incutir nos que me lê a realidade. Reunido o Senado, reunião diária, para discutir do que foi e do que será o dia de á  manhã, fala-se superficialmente da próxima operação com a duração de oito dias. O chefe designa por escala, os graduados contemplados e convida-os a ficar após da reunião para discutirem sobre o que haverá  a fazer as medidas a tomar em relação ao dito passeio. Quais os objectivos na nomadização? São vários: trata-se de procurar o inimigo nas bases de caracter ambulante dado às constantes visitas que as nossas tropas lhe fazem. O objectivo será procurar, mas às vezes em que se tenta evitar o encontro. Aqui perto existe uma base IN a que se chama MEPÓTXE e segundo dizem ninguém lá consegue penetrar. O terreno é rabino e o europeu não consegue penetrar dado que os trilhos se encontram armadilhados e fora dos mesmos é impossível a progressão. Depois de falar acerca da operação, pensou-se que iriam arrasar a dita”MEPÓTXE” capturar o possível em vez de matar, trazer armas e bens que lhes pertençam. Claro que dentro do aquartelamento as operações são cheias de êxito e as KalaKenikova acompanhadas pelos morteiros “Oitenta e dois “se começam a ouvir e a sentir, então “Hoc Opus: hit labor este”. Depois de determinado o número de homens e o pessoal que tomará parte na progressão, ordena-se que se formem na parada para lhes dar a conhecer o que irão fazer no próximo dia e quais os cuidados a ter no mato. Em seguida são distribuídas rações de combate, alinhamento que lhes é fornecido para se poderem manter em pé durante os dias que terão de dormir sob o firmamento e com as costas ao relento. No primeiro dia o pessoal ainda vai fresco e como tal resiste às intempéries. No 2.º dia já começa a haver um ou outro que precisa de comprimidos ou injecções. Tudo isto é aplicado em doses cavalares,fasendo andar um corpo de pé, embora o organismo se venha a ressentir num advir mais próximo ou mais remoto. No 3.º dia á já um soldado mais frágil, que não aguentando começa a ser maco-transportado por camaradas que de dois e um pano de tenda e algumas fibras de árvores, fizeram o engenho. Tudo é prático nesta vida virgiliana desde a construção de uma maca à higiene que nem existe. No 4.º dia haverá quase, imprescindivelmente, uma telefonadela, lançando um S.O.S. para um dos componentes da força ambulante ser evacuado, dado a doença súbita. Habitualmente verifica-se que é paludismo misturado com fraqueza que ataca estes corpos errantes. No 5.º dia logo pela manhã vem um hélio acompanhado pelo respectivo bombardeiro, para transportar para o hospital sectorial o enfermo, pois no dia anterior a guerra havia fechado pelas dezassete horas, para a Fap. Destas evacuações urgentes efectuadas após quase 24 horas após um lançamento de um S.O.S. podem resultar consequências deveras desagradáveis. A dama de companhia do hélio vem para o que der e vier e se necessário for, este começa a fazer a sua psico com material bélico. Contudo também serão reabastecidos no 5.º dia. Mas antes de continuar visto que já estou a perder o Norte, vou dar efeito retroactivo ao amalgamado que venho reproduzindo. A despedida dos rapazes que fazem parte da operação é análoga àquelas despedidas que “Ilo tempo “ tinham lugar na ágar de Alcântra,cais que da Rocha havia lágrimas que rebentavam, aqui há amargura com lágrimas que não rebentamos que partem abraçam os que ficam para defender o bairro das latas, confortando e desejando-lhe boa estadia no máto.Parece que partem para muito longe e que nunca mais se irão ver; parecem que partem para um jogo de vida ou de morte parece que partem para a morte. Aquelas caras não deixam as que sai saltar um sorriso e só não deixam verter lágrimas porque são homens. Estas partidas são cenas que comovem muita gente. Há um desgaste quer físico quer psíquico, difícil de avaliar, quer no pessoal que parte quer naquele que fica. Muitos deles refugiam-se no tabaco, outros no álcool outros,…Há muitos que nunca haviam fumado ou ingerido bebidas alcoólicas em excesso, e começam a partir deste isolamento a viciar-se. Cria este isolamento muito neuróticos, muitas ulceras duedenais,muito desgaste muitos fumadores, muitos alcoólicos, muitos drogados, muitos deficientes mentais muitos. Os que ficam no aquartelamento tiram fotografias aos que partem para o mato. Porquê? Talvez porque queiram ficar com uma recordação impressa do camarada que poderá voltar inanimado, ou mesmo não voltar.Incintam selvaticamente os nómadas à vitória. Ouvem-se frases que não citarei, simplesmente dirá que são horripilantes. Bem, mas passados os dias e acaba a operação, o pessoal regressa. Evidentemente que, mas há alguns que baixam logo “ ao retiro dos desenfiados. Retiro dos desenfiados, para aqueles  que desconhecem estas coisas, direi que se trata da enfermaria da companhia. O nome que alguém lhe deu, está muito bem apropriado. Ora vejamos:todo aquele que é sorna,desenfiado,reguila e se quer safar da operação, patrulha,capinagem,e trabalhos diversos servem-se de doenças simuladas e pretendidas, baixando à enfermaria (retiro dos desenfiados) para assim se livrarem. Na véspera de uma operação a enfermaria é visitada por quase todos os elementos componentes da mesma. Claro que se o enfermeiro tivesse os olhos tapados e fosse mais filantrópico a operação teria de ser anulada por falta de pessoal. Contudo sempre há alguns que conseguem simular uma grande dor de estômago (ulcera possível, não podendo comer. Sim este posto de socorros é efectivamente uma miséria. Há soldado que precisa de ser injectado, qualquer medicamento, mas tal não se faz porque umas vezes não à seringas, outras vezes falta o álcool etc…Anda por aí tudo cheio de micose doença que só existe nos soldados de Portugal e do Ultramar. Em parte esta impedemia que afecta a derme testicular, é benéfica para aqueles que nada tem para fazer. Mas deixemo-nos de graças. Eu direi que não é nada agradável ter que andar com toda aquela comichão no órgão genital, riqueza mais nobre que o homem pode possuir. Não era isto que eu queria dizer, mas a gente começa a dissertar por vezes chega a dizer aquilo que nem tinha em mente, ou uma série de asneiras. Sucede é que as pomadas os pós os líquidos antimicóticos, não existem para sarar esta enfermidade que é geral.Continuando: o pessoal sujeito a alimentação como aquela que se verifica, tem uma necessidade incrível de vitaminas. Também estas faltam, a  quantidade é pouca e só são distribuídas aos mais necessitados ou aos mais amigos. Como toda esta falta de medicamentos, torna-se fácil a administração dos mesmos aos diversos enfermos. Aparece uma dor de cabeça, toma L.M. vem um outro com dores numa unha outro que se queixa do estômago, toma L.M.Mesmo assim à quem administre uns comprimidos venenosos em vês de L.M, segundo informações colhidas, e oriundas de fontes honestas consta que não passaram pelo estreito só as galinhas, mas também os ovos que as mesmas iam fabricando. Mas ainda o autor do desvio dos ovos chegou ao cumulo de troca e de odores fedorentos do respectivo ninho.
Os licenciados da guerra burocrática dado que são veteranos nestas andanças serviram-se de uma rede informadora que funcionava durante as vinte e quatro horas, incluindo hora em que o material galináceo era ingerido, chegando mesmo a saber quem e quando participavam no banquete embora os restos próprios para os cães fossem enterrados ou comidos. Restos nunca apareceram mas as galinhas desapareceram. A chegada de um checa caloiro na arte espartana, é deveras interessante e divertida para aqueles que já não estão habituados a grandes  divertimentos. Aparece numa terciária, todo enfiado e amarelo, branco pálido, bem uniformizado de galões ou divisas a brilhar. A cara deixa de transparecer o seu cogita, a sua alma. Na alma que transparece o rosto lê-se: adeus vida adeus namorada.


Bernardino Peixoto- C.CAÇ-4141.. Correção  feita.....José do Rosário ..Alvalade 1558


O texto não é  responsabilidade  dos responsáveis pelo Blogue. Foi enviado por Email sem correcção ortografica!...


1 comentário:

Armando Gonçalves disse...

Comemorei o meu aniversario dia 21/09/1971 no Lunho a festa correu bem. O fogo de artificio e que chegou atrasado 4 dias.fur.eng.Goncalves